HOME

22 de junho de 2017

#RESENHA - Notas Suicidas de Belas Garotas por Lynn Weingarten

Título: Notas Suicidas de Belas Garotas
Autor: Lynn Weingarten
Editora: Plataforma21
Páginas: 328
Idioma: Português
ISBN: 859278316X
Ano de Lançamento: 2017
Livro cedido pela editora

Compre aqui: Saraiva | Livraria da Travessa

SINOPSE: June sempre foi solitária. Até conhecer Delia Cole no sexto ano do colégio. Elas se tornaram inseparáveis, compartilhando a perda da inocência e o florescer da malícia na adolescência.
Para June, não havia ninguém como sua melhor amiga. Delia era a garota mais bela do mundo quando sorria, e incendiava aqueles que a rodeavam. Embora, às vezes, se tornasse fria e sombria. As duas acreditavam que nada poderia separá-las… até aquela estranha noite que as afastou por um ano – e depois para sempre.
Quando o vice-diretor da escola North Orchard anuncia que Delia está morta, uma onda de angústia toma conta de June. Dois dias antes, a amiga havia ligado para ela, mas June ignorou as chamadas.
Todos dizem que Delia ateara fogo no próprio corpo. Sua melhor amiga havia se matado. June não consegue aceitar. Delia não seria capaz disso. Ou seria? Então, quando bilhetes póstumos da amiga começam a chegar, June se convence de que ela fora assassinada. Alguém estava mentindo nessa história, e a lista de suspeitos é perturbadora.
O que June fará quando toda a verdade vier à tona?


Notas Suicidas de Belas Garotas tem seu enredo narrado basicamente em primeira pessoa no presente e quando há alguns flashbacks, a narrativa se transforma em terceira pessoa. É um livro complicado de resenhar e de falar, pois o tema dele não é fácil: suicídio, assédio, adolescentes problemáticos, sexo, etc. 

Para falar sobre esse livro eu vou dividir em duas partes - literalmente - pois a primeira parte do livro foram só coisas boas e mudou um pouco quando aconteceu o plot-twist exatamente na metade dele. Além disso, muitas coisas da metade para frente podem ser caracterizadas como spoiler, então tudo que vou falar aqui é basicamente sobre a primeira metade do enredo.

19 de junho de 2017

#RESENHA - Um Amor de Detetive por Sarah Mason

Título: Um Amor de Detetive
Autora: Sarah Mason
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 336
Idioma: Português
ISBN: 852861073X
Ano de Lançamento: 2004
Compre aqui: Estante Virtual

SINOPSE: Neste divertido romance de estréia de Sarah Mason, Um amor de detetive, os opostos se encontram e - como não poderia deixar de ser -, também se atraem. A bela Holly Colshannon é uma ambiciosa e desastrada jornalista da Bristol Gazette. James Sabine (apenas um pouco mais bonito que ela), é um sargento-detetive durão, grosseiro e ressentido. Levados pelo acaso , eles se encontram diversas vezes por conta de uma série de coincidências bastante oportunas. Rapidamente, a determinada Holly vê em James a grande chance de progredir em sua carreira e decide segui-lo por um período de seis semanas a fim de escrever uma coluna criminal, que poderá vir a ser o seu primeiro sucesso jornalístico. O lado positivo da situação é que ela consegue obter a tão sonhada coluna O lado negativo é que o bonitão não está nem um pouco feliz com a presença constante de Hally em sua vida.


Oi pessoal. Hoje vou falar desse chick-lit antigo, lançado em 2004 pela Bertrand, que foi uma boa surpresa para mim. Eu que não bato ponto nesse estilo de história amei tudo o que foi escrito e por isso espero poder adicionar mais esse gênero literário às minhas leituras.

Nós temos aqui uma protagonista chamada Holly, que é jornalista e acaba de ser 'promovida' a jornalista investigativa no jornal onde ela trabalha. Uma ideia por parte da pessoa responsável pelas Relações Públicas da delegacia para qual ela vai surge: Holly ficaria atrás de um detetive, observando tudo que acontece e relatando em um diário.

Se ele pensa que vai me intimidar, pode ir tirando o cavalinho da chuva. Eu tive minha chance na vida e talvez isso dê um impulso na minha carreira, e nem ele nem ninguém vai me atrapalhar. Cuidado, James Sabine, você terá uma sombra fiel nas próximas seis semanas.

12 de junho de 2017

#RESENHA - Ninfeias Negras por Michel Bussi

Título: Ninfeias Negras
Autor: Michel Bussi
Editora: Arqueiro
Páginas: 352
Idioma: Português
ISBN: 8580416329
Ano de Lançamento: 2017
Livro cedido em parceria com a editora

Compre aqui: Saraiva | Livraria da Travessa

SINOPSE: Giverny é uma cidadezinha mundialmente conhecida, que atrai multidões de turistas todos os anos. Afinal, Claude Monet, um dos maiores nomes do Impressionismo, a imortalizou em seus quadros, com seus jardins, a ponte japonesa e as ninfeias no laguinho.
É nesse cenário que um respeitado médico é encontrado morto, e os investigadores encarregados do crime se veem enredados numa trama em que nada é o que parece à primeira vista. Como numa tela impressionista, as pinceladas da narrativa se confundem para, enfim, darem forma a uma história envolvente de morte e mistério em que cada personagem é um enigma à parte - principalmente as protagonistas.
Três mulheres intensas, ligadas pelo mistério. Uma menina prodígio de 11 anos que sonha ser uma grande pintora. A professora da única escola local, que deseja uma paixão verdadeira e vida nova, mas está presa num casamento sem amor. E, no centro de tudo, uma senhora idosa que observa o mundo do alto de sua janela.


Ninfeias Negras foi escrito por Michel Bussi, que é francês, em 2011 e foi lançado aqui no Brasil pela Editora Arqueiro no começo desse ano. Trata-se de um thriller policial e como meu primeiro contato com o autor não poderia ter sido melhor. 

A história é narrada em terceira pessoa (60% do livro) e primeira pessoa (40%) e se passa em 2010, ainda que alguns acontecimentos datam de um tempo anterior. Quem vai contar a história sob a perspectiva pessoal vai ser uma idosa ranzinza de mais de 80 anos. A narrativa dela é muito legal porque muitas vezes ela fala diretamente com o leitor. E ela também tem um pastor alemão chamado Neturno que é muito fofo. Como a vila de Giverny é bem pequena, ele fica solto e é a alegria de crianças e adultos - todo mundo adora esse cão. Ele vai ter um papel bem importante mais para a frente.
As últimas silhuetas se afastam.
Agora posso confessar, já que estou a par.
A ocasião e o cenário são ideais para isso.
A MORTE VAI ATACAR DE NOVO EM GIVERNY.
Palavra de bruxa.

7 de junho de 2017

TAG dos 50%


Oi gente. Ano passado fiz essa TAG e estou fazendo novamente esse ano para mostrar minhas impressões.

A Tag 50% consiste em responder algumas perguntas sobre os livros que você leu até a metade desse ano.


1- O melhor livro que li até agora: 

Vou roubar a TAG e indicar os dois livros que foram minhas melhores leituras até agora e os dois não podiam ser mais diferentes. O Ceifador é uma distopia muito bem escrita e Nossos Dias Infinitos é um livro dramático cheio de reviravoltas. 

5 de junho de 2017

#RESENHA - A Árvore dos Anjos por Lucinda Riley

Título: A Árvore dos Anjos
Autor: Lucinda Riley
Editora: Arqueiro
Páginas: 496
Idioma: Português
ISBN: 8580417112
Ano de Lançamento: 2017
Livro cedido em parceria com a editora

Compre aqui: Saraiva | Livraria da Travessa

SINOPSE: Trinta anos se passaram desde que Greta deixou de morar no solar Marchmont, uma bela e majestosa residência na região rural do País de Gales. A convite de seu velho amigo David, ela decide retornar ao lugar para comemorar o Natal. Porém, devido a um acidente de carro, Greta não tem mais lembranças da época em que vivia na propriedade, assim como de boa parte de seu passado.
Durante uma caminhada pela paisagem invernal de Marchmont, ela encontra uma sepultura no bosque, e a inscrição na lápide coberta de neve se torna a fagulha que a ajudará a recuperar a memória.
Contudo, relembrar o passado também significa reviver segredos dolorosos e muito bem guardados, como o motivo para Greta ter fugido do solar, quem ela era antes do acidente e o que aconteceu com sua filha, Cheska, uma jovem de beleza angelical... mas que esconde um lado sombrio.
Da aclamada autora da série As Sete Irmãs, A Árvore dos Anjos é uma história tocante sobre amores e perdas, sobre como nossas escolhas de vida podem tanto definir quem somos como permitir um novo começo.


Uooow, que livro é esse. Começou de um jeito e tomou proporções épicas que não previ. A Árvore dos Anjos é um livro narrado em terceira pessoa e vai nos contar a história de 3 gerações: mãe, filha e avó. Ele intercala presente e passado, mas o passado prevalece.

Quando começamos a lê-lo percebemos que Greta não tem memória, a qual ela perdeu em algum acidente que não é revelado imediatamente. Ela acaba indo para Marchmont, onde uma vez morou - e que foi recentemente reformado devido a um incêndio que não sabemos quando foi e nem se alguém se feriu - a pedido de seu amigo de longa data, David. Lá ela começa a lembrar de alguns flashes enquanto David conta algumas partes da história pra ela, a fim de reviver suas memórias. É aí que o passado entra. A história inicia no presente, em 1985, volta ao passado no final da Segunda Guerra enquanto Chesca se lembra e depois volta novamente ao presente até o momento que ela se recorda.
E quando ela olhou para a casa e, em seguida, para os seus pés submersos na neve, uma memória repentina surgiu: eu já estive aqui antes.

Assine a Newsletter

LINK ME!

Literatura Estrangeira

Mais Recentes

Literatura Estrangeira - Copyright © 2016 - Todos os Direitos Reservados